Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vermelho

Fraternidade



Segunda-feira, 15.08.16

Ian McShane

É tempo de falarmos de Ian McShane.

 

Ian McShane, Ian McShane, por onde começar? O meu medo é que para muitos McShane seja apenas uma personagem secundária do Game of Thrones (que foi). E isso para mim é intolerável.

 

Talvez seja injusto dizer que a hora de Ian McShane ainda está para chegar. E talvez seja injusto porque Ian McShane, com uma carreira que começou aos 20 anos, em 1962, conta com várias participações interessantes quer no cinema, quer na televisão. 

É verdade que no cinema, apesar de alguns papéis principais nos primeiros anos, acabou por se assumir com um grande ator secundário. Por exemplo, aos 27 anos entrava em Battle of Britain (com Laurence Olivier, Christopher Plummer, Michael Caine, entre outros) no que era já um prenúncio do que seria a sua carreira no cinema: mais um genial ator de apoio do que um protagonista renomeado. Esta toada mantém-se até hoje, assegurando que encontremos McShane sempre como uma agradável surpresa, e incapaz de atuar mal, em alguns filmes de culto. Para além do já referido Battle of Britain, ainda apetece referir Sexy Beast já em 2000 (de Jonathan Glazer com Ben Kingley) ou John Wyck em 2014 (um discreto e enigmático, Winston)

Mas talvez seja na televisão que a tal injustiça da minha afirmação se revele mais. Afinal McShane é o protagonista de Loveyjoy, um clássico da televisão inglesa e americana dos finais dos anos 80 e princípios dos anos 90 e tem um dos papéis principais em Deadwood. E aqui, façamos uma pausa. Deadwood.

Talvez a injustiça da minha afirmação se revele aparente. Afinal a hora de Ian McShane talvez já tenha chegado para aqueles que apreciam boa televisão. É o caso de Deadwood. Apesar de McShane, desde Lovejoy até Deadwood (2004-2006) e mesmo depois, ter feito notáveis aparições televisivas (é o caso de Miami Vice, Perry Mason, Columbo, Ray Donovan e, finalmente, a já referida Game of Thrones), a verdade é que o seu melhor momento foi Deadwood. O seu Al Swearengen, ajudou a tornar Deadwood uma das melhores séries produzidas este século, uma espécie de West Wing do Oeste Selvagem, como o Rui Branco uma vez disse.

Esta sua prestação apenas bastaria para darmos o devido valor a um ator que continua a ser subestimado ou que talvez seja simplesmente um prazer partilhado por poucos. Na verdade a sua prestação em Deadwood é tão boa que agora que ela corre o risco de ser suplantada encontro-me a rever a série. E continua tão boa como da primeira vez que a vi.

Suplantada porque em 2017 teremos American Gods. E Ian McShane será Mr. Wednesday. É evidente que aqueles que nunca leram o romance de Neil Gaiman não percebem a beleza de tudo isto. E é claro que ajuda ser um fã de Gaiman e já ter lido o romance duas vezes (a segunda há alguns meses coincidentemente quando se soube que a Starz tinha decidido avançar com a adaptação televisiva), mas mesmo assim, o trailer já deve ajudar mesmo aqueles que não sabem o que os espera, quer no romance, quer na série. Por mim só posso dizer que talvez McShane tenha aqui uma oportunidade ainda melhor do que a de Deadwood para continuar a lutar contra a tal aparente injustiça. Mas já há pelo menos uma justiça que é feita. Depois do pobre Ray de Game of Thrones, nada melhor do que voltar como Mr. Wednesday (sim, vocês sabem do que eu estou a falar). Let's look at the trailer:

 

 

 American Gods chega em 2017. Parece uma eternidade. O que neste caso, faz todo o sentido.

(em estéreo com a noite americana)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Domingos Farinho às 23:36



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Trabalhos publicados

- A Suspensão de Eficácia dos Actos Administrativos em Acção Popular


(in Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Vol. XLII - N.º 2, 2001, Coimbra Editora);


- Em Terra de Ninguém - Da interrupção e suspensão de obras em terrenos expropriados - Ac. do STA de 24.10.2001, P.º 41624


(in Cadernos de Justiça Administrativa, n.º 49, Janeiro/Fevereiro, 2005, CEJUR - Centros de Estudos Jurídicos do Minho);


- As Regras do Recrutamento Parlamentar Partidário em Portugal


(in Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Vol. XLVI - N.º 1, 2005, Coimbra Editora);


- Intimidade da Vida Privada e Media no Ciberespaço, Coimbra, Almedina, 2006


- Para além do Bem e do Mal: as Fundações Público-Privadas


(in Estudos em Homenagem ao Professor Marcello Caetano, no Centenário do seu nascimento, Vol. I,Coimbra Editora, 2006);


- Todos têm direito à liberdade de imprensa? - a propósito do caso Apple v. Doe no Tribunal de Apelo do Estado da Califórnia


(in Jurisprudência Constitucional, n.º 12, Outubro-Dezembro, 2006, Coimbra Editora);


- O Direito Fundamental de Fundação - Portugal entre a Alemanha e a Espanha


(in Estudos em Homenagem ao Prof. Doutor Sérvulo Correia, Vol. I, Coimbra Editora, 2010);


- Alguns problemas de governo fundacional de uma perspectiva normativa-orgânica


(in O Governo das Organizações - A vocação universal do corporate governance, Coimbra, Almedina, 2011);


- As fundações como entidades adjudicantes


(in Revista dos Contratos Públicos, n.º 4, 2012);


- Brevíssimo balanço do regime jurídico das pessoas colectiva de utilidade pública: uma perspectiva fundacional


(in Estudos de Homenagem ao Prof. Doutor Jorge Miranda, Volume IV - Direito Administrativo e Justiça Administrativa, Coimbra, Coimbra Editora, 2012);


- Empresa e fundações: uma união mais forte?


(in Revista de Direito das Sociedades, Ano IV (2012), n.º 1, Coimbra, Almedina)


- Governo das Universidades Públicas (brevíssimo ensaio introdutório jurídico-normativo)


(in O Governo da Administração Pública, Coimbra, Almedina, 2013);


Breve comentário ao âmbito de aplicação do Código do Procedimento Administrativo, na versão resultante da proposta de revisão


(in Direito&Política / Law&Politics, n.º 4, Julho-Outubro, 2013, Loures, Diário de Bordo)


A propósito do recente Decreto-Lei n.º 138/2013, de 9 de Outubro: a escolha dos parceiros do Estado para prestações do Estado Social - em particular o caso das IPSS na área da saúde


(in e-pública - Revista Electrónica de Direito Público, n.º 1, Janeiro 2014);


O alargamento da jurisdição dos tribunais arbitrais

(in Gomes, Carla Amado; Neves, Ana Fernanda; e Serrão, Tiago, O anteprojecto da revisão do Código de Processo nos Tribunais Administrativos e do Estatuto dos Tribunais Administrativos e Fiscais em debate, Lisboa, AAFDL, 2014, p. 421 a 429)


- Fundações e Interesse Público , Coimbra, Almedina, 2014


O âmbito de aplicação do novo Código do Procedimento Administrativo: regressar a Ítaca

(in Gomes, Carla Amado; Neves, Ana Fernanda; e Serrão, Tiago, Comentários ao Novo Código do Procedimento Administrativo, Lisboa, AAFDL, 2015, p. 121 a 150)


Seleção de administradores designados pelo Estado em fundações privadas com participação pública

(in Vários, A designação de administradores, Lisboa, Almedina, 2015, p. 345 a 365)


Interesse público e poder judicial

in Repolês, Maria Fernanda Salcedo e, Dias, Mariz Tereza Fonseca (org.), O Direito entre a Esfera Pública e a Autonomia Privada, Volume 2, Belo Horizonte, Editora Fórum, 2015;


As vantagens da arbitragem no contexto dos meios de resolução de conflitos administrativos

in Gomes, Carla Amado / Farinho, Domingos Soares/ Pedro, Ricardo (coord.) Arbitragem e Direito Público, Lisboa, AAFDL Editora, 2015, p. 485 a 502


A sociedade comercial como empresa social - breve ensaio prospetivo a partir do direito positivo português

in Revista de Direito das Sociedades, Ano VII (2015), n.º 2, Coimbra, Almedina, p. 247-270;


Global (normative) public interest and legitimacy: A comment on Gabriel Bibeau-Picard

in e-publica Revista Eletrónica de Direito Público, n.º 6, dezembro 2015


(Un)Safe Harbour: Comentário à decisão do TJUE C-362/14 e suas consequências legais

in Forum de Proteção de Dados, n.º 02, Janeiro 2016, p. 108-124


Empresa Social, Investimento Social e Responsabilidade pelo Impacto

in Impulso Positivo, n.º 31, janeiro/fevereiro 2016, pp. 42-43


A arbitragem e a mediação nos títulos de impacto social: antecipar o futuro

in Arbitragem Administrativa, n.º 2, 2016, CAAD


Regras especiais de contratação pública: os serviços sociais e outros serviços específicos

in Maria João Estorninho e Ana Gouveia Martins (coord.), Atas da Conferência - A Revisão do Código dos Contratos Públicos, Lisboa, Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, pp. 81-98.


O tratamento de dados pessoais na prossecução do interessse público e o Regulamento Geral de Proteção de Dados: uma primeira abordagem

in Martins, Ana Gouveia et al. (ed.), “IX Encontro de Professores de Direito Público”, Lisboa, Universidade Católica Editora, 2017, pp. 67-76


As políticas públicas de resolução alternativa de litígios: da alternatividade rumo à seleção apropriada

in Rodrigues, Maria de Lurdes et al. (ed.), “40 anos de políticas de justiça em Portugal”, Coimbra, Almedina, 2017, pp. 331-368





Agradecimento

O fotograma que serve de fundo a este blog foi retirado do filme "Rouge", de Krzysztof Kieslowski, de 1994.


Ao Pedro Neves, da equipa dos Blogs Sapo, um agradecimento especial pela sua disponibilidade e ajuda.