Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vermelho

Fraternidade



Quarta-feira, 16.02.11

Esquecer por regra

A questão não é nova. Tropecei nela pela primeira vez no âmbito de um trabalho académico sobre a relação entre a intimidade e os media no ciberespaço, em 2003. Já não era nova então. Tem vindo a ganhar importância na razão directa da difusão da internet. Refiro-me ao direito ao esquecimento.

 

O problema tal como era colocado na sua formulação original ganhou entretanto novos contornos. Quando se começou a falar de direito ao esquecimento pretendia encontrar-se uma resposta para os casos em que alguém tinha visto a sua esfera pública bastante ampliada num determinado período da sua vida, voltando depois a agir de um modo mais privado com a natural compressão da esfera pública. Nestes casos, começou a defender-se, não era legítimo que fosse aplicado ao remanescente da vida pessoa o mesmo padrão de escrutínio da intimidade que era aplicado no período de maior notoriedade pública.

 

O problema na internet é ligeiramente distinto mas parte dos contornos que expliquei acima. O direito ao esquecimento de que se fala aqui diz respeito ao rasto digital que deixamos, voluntaria ou inadvertidamente. Ou seja, a questão generalizou-se não apenas àqueles que têm uma vida com maior notoriedade mas a qualquer cidadão com rasto digital. O que, neste momento, é já uma grande parte da população mundial.

 

Esta questão tem estado intermitentemente na ordem do dia. Num dos meus últimos posts dei conta de uma proposta de uma congressista norte-americana intitulada "Do not track me online", que, na prática, prevê modos de garantir a possibilidade do direito ao esquecimento.

 

Na internet, a mole de informação tem um potencial infinito de acumulação, por isso, recorrentemente, algum acontecimento ou alguém nos recorda que, na internet, o direito ao esquecimento faz ainda mais sentido.

 

 

Em 2009, o Rui remetia para este artigo da Wired, que dava conta de uma obra hoje considerada fundamental neste domínio - Delete: The Virtue of Forgetting in the Digital Age, de Viktor Mayer-Schonberger. Eu sugiro ainda mais duas de Daniel Solove, Understanding Privacy e The Future of Reputation: Gossip, Rumor and Privacy on the Internet.

 

O que todas estas obras permitem compreender é que temos pela frente uma batalha pela privacidade por regra na internet, contra o princípio inverso, defendido por exemplo por Mark Zuckerberg, o criador do Facebook. A internet, sobretudo devido aos motores de busca e às redes sociais, está a criar um paradigma de público por regra e privacidade a pedido, quando no mundo real sempre vigorou a ideia contrária. Ideia essa, aliás, que justificava o direito ao esquecimento no sentido clássico que apresentei acima.

 

Ora, são cada vez mais os sinais de que o paradigma clássico deve ser mantido na internet, apesar de haver toda uma geração para a qual, provavelmente, ele não faz sentido. O que defendo é que ao invés de acharmos que para essa geração a privacidade por regra  não faz sentido, devemos considerar que para eles a privacidade por regra ainda não faz sentido. E digo ainda porque ainda não sentiram na pele os danos provocados pela publicidade como regra e privacidade a pedido.

 

A este respeito é bom o exemplo com que o Tiago retoma o assunto, a propósito da discussão espanhola em torno dos pedidos para por um prazo de validade nos resultados de um dos verbos mais famosos dos últimos tempos: googlar. O que temos aí é, afinal, um conjunto de primeiros confrontados com o paradigma publicidade como regra, privacidade a pedido. Todo o rasto de hiperligações que nos refere é agregado pelo Google para toda a eternidade. Mas mais, o Google escolhe qual o critério da memória.

 

Claro que é fácil de compreender pelo menos uma das razões do paradigma dominante: a inércia técnica. É mais fácil registar tudo e ir retirando à medida do pedido, passando esse ónus para cada um dos destinatários, do que ter filtros para, por exemplo, distinguir nomes próprios nas pesquisas e impedir a sua divulgação em determinados casos. Mas não é impossível. E contra a inércia técnica é preciso opor o argumentos dos direitos.

 

As duas soluções mais sensatas seriam, por um lado, tipificar quais as referências digitais que uma pessoa poderia impedir através de um pedido directo ao seu autor, fosse um blogger ou o Google, sob pena de se aplicar um processo expedito, do género notice-and-takedown, via entidade administrativa independente e tribunais; por outro, limitar essa mesma informação tipificada - por ex: nomes próprios sem interesse histórico - a um período máximo de armazenamento, excepto solicitação positiva do visado em contrário. Ou seja inverter-se-ia, ou pelo menos, mitigar-se-ia o paradigma: seria a privacidade a prevalecer a não ser que a publicidade fosse pedida.

 

Infelizmente este novo paradigma é regra na nossa legislação, aliás, por imposição comunitária*, o que tem levado alguns políticos a pedirem alterações às leis existentes para que, a manter-se a publicidade por defeito, ao menos a privacidade não seja a pedido mas a prazo. Um prazo para o esquecimento. Pelo menos o digital.

 

 

 

*Vejam-se os artigos 5º e 6º da Lei n.º 41/2004, de 18 de Agosto.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Domingos Farinho às 21:27



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Trabalhos publicados

- A Suspensão de Eficácia dos Actos Administrativos em Acção Popular


(in Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Vol. XLII - N.º 2, 2001, Coimbra Editora);


- Em Terra de Ninguém - Da interrupção e suspensão de obras em terrenos expropriados - Ac. do STA de 24.10.2001, P.º 41624


(in Cadernos de Justiça Administrativa, n.º 49, Janeiro/Fevereiro, 2005, CEJUR - Centros de Estudos Jurídicos do Minho);


- As Regras do Recrutamento Parlamentar Partidário em Portugal


(in Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Vol. XLVI - N.º 1, 2005, Coimbra Editora);


- Intimidade da Vida Privada e Media no Ciberespaço, Coimbra, Almedina, 2006


- Para além do Bem e do Mal: as Fundações Público-Privadas


(in Estudos em Homenagem ao Professor Marcello Caetano, no Centenário do seu nascimento, Vol. I,Coimbra Editora, 2006);


- Todos têm direito à liberdade de imprensa? - a propósito do caso Apple v. Doe no Tribunal de Apelo do Estado da Califórnia


(in Jurisprudência Constitucional, n.º 12, Outubro-Dezembro, 2006, Coimbra Editora);


- O Direito Fundamental de Fundação - Portugal entre a Alemanha e a Espanha


(in Estudos em Homenagem ao Prof. Doutor Sérvulo Correia, Vol. I, Coimbra Editora, 2010);


- Alguns problemas de governo fundacional de uma perspectiva normativa-orgânica


(in O Governo das Organizações - A vocação universal do corporate governance, Coimbra, Almedina, 2011);


- As fundações como entidades adjudicantes


(in Revista dos Contratos Públicos, n.º 4, 2012);


- Brevíssimo balanço do regime jurídico das pessoas colectiva de utilidade pública: uma perspectiva fundacional


(in Estudos de Homenagem ao Prof. Doutor Jorge Miranda, Volume IV - Direito Administrativo e Justiça Administrativa, Coimbra, Coimbra Editora, 2012);


- Empresa e fundações: uma união mais forte?


(in Revista de Direito das Sociedades, Ano IV (2012), n.º 1, Coimbra, Almedina)


- Governo das Universidades Públicas (brevíssimo ensaio introdutório jurídico-normativo)


(in O Governo da Administração Pública, Coimbra, Almedina, 2013);


Breve comentário ao âmbito de aplicação do Código do Procedimento Administrativo, na versão resultante da proposta de revisão


(in Direito&Política / Law&Politics, n.º 4, Julho-Outubro, 2013, Loures, Diário de Bordo)


A propósito do recente Decreto-Lei n.º 138/2013, de 9 de Outubro: a escolha dos parceiros do Estado para prestações do Estado Social - em particular o caso das IPSS na área da saúde


(in e-pública - Revista Electrónica de Direito Público, n.º 1, Janeiro 2014);


O alargamento da jurisdição dos tribunais arbitrais

(in Gomes, Carla Amado; Neves, Ana Fernanda; e Serrão, Tiago, O anteprojecto da revisão do Código de Processo nos Tribunais Administrativos e do Estatuto dos Tribunais Administrativos e Fiscais em debate, Lisboa, AAFDL, 2014, p. 421 a 429)


- Fundações e Interesse Público , Coimbra, Almedina, 2014


O âmbito de aplicação do novo Código do Procedimento Administrativo: regressar a Ítaca

(in Gomes, Carla Amado; Neves, Ana Fernanda; e Serrão, Tiago, Comentários ao Novo Código do Procedimento Administrativo, Lisboa, AAFDL, 2015, p. 121 a 150)


Seleção de administradores designados pelo Estado em fundações privadas com participação pública

(in Vários, A designação de administradores, Lisboa, Almedina, 2015, p. 345 a 365)


Interesse público e poder judicial

in Repolês, Maria Fernanda Salcedo e, Dias, Mariz Tereza Fonseca (org.), O Direito entre a Esfera Pública e a Autonomia Privada, Volume 2, Belo Horizonte, Editora Fórum, 2015;


As vantagens da arbitragem no contexto dos meios de resolução de conflitos administrativos

in Gomes, Carla Amado / Farinho, Domingos Soares/ Pedro, Ricardo (coord.) Arbitragem e Direito Público, Lisboa, AAFDL Editora, 2015, p. 485 a 502


A sociedade comercial como empresa social - breve ensaio prospetivo a partir do direito positivo português

in Revista de Direito das Sociedades, Ano VII (2015), n.º 2, Coimbra, Almedina, p. 247-270;


Global (normative) public interest and legitimacy: A comment on Gabriel Bibeau-Picard

in e-publica Revista Eletrónica de Direito Público, n.º 6, dezembro 2015


(Un)Safe Harbour: Comentário à decisão do TJUE C-362/14 e suas consequências legais

in Forum de Proteção de Dados, n.º 02, Janeiro 2016, p. 108-124


Empresa Social, Investimento Social e Responsabilidade pelo Impacto

in Impulso Positivo, n.º 31, janeiro/fevereiro 2016, pp. 42-43


A arbitragem e a mediação nos títulos de impacto social: antecipar o futuro

in Arbitragem Administrativa, n.º 2, 2016, CAAD


Regras especiais de contratação pública: os serviços sociais e outros serviços específicos

in Maria João Estorninho e Ana Gouveia Martins (coord.), Atas da Conferência - A Revisão do Código dos Contratos Públicos, Lisboa, Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, pp. 81-98.


O tratamento de dados pessoais na prossecução do interessse público e o Regulamento Geral de Proteção de Dados: uma primeira abordagem

in Martins, Ana Gouveia et al. (ed.), “IX Encontro de Professores de Direito Público”, Lisboa, Universidade Católica Editora, 2017, pp. 67-76


As políticas públicas de resolução alternativa de litígios: da alternatividade rumo à seleção apropriada

in Rodrigues, Maria de Lurdes et al. (ed.), “40 anos de políticas de justiça em Portugal”, Coimbra, Almedina, 2017, pp. 331-368


Autor

foto do autor




Agradecimento

O fotograma que serve de fundo a este blog foi retirado do filme "Rouge", de Krzysztof Kieslowski, de 1994.


Ao Pedro Neves, da equipa dos Blogs Sapo, um agradecimento especial pela sua disponibilidade e ajuda.